(45) 3306-7172 Rua Maranhão, 790 - Sala 09 - Edifício Green - Cascavel/PR

O QUE FAZEMOS /

PRÓTESE DE QUADRIL

Quando o quadril está danificado por um desgaste, por fraturas ou outros problemas ortopédicos, as atividades comuns, como caminhar, sentar ou levantar, podem ser dolorosas e difíceis. O quadril pode enrijecer, dificultando o simples ato de colocar e tirar calçados ou meias. Mesmo durante o repouso pode ocorrer desconforto.

A cirurgia de Prótese de Quadril pode ajudar a aliviar a dor provocada por artrose ou outras doenças que prejudicam o funcionamento da articulação, pode corrigir deformidades, recuperar o movimento da articulação promovendo o retorno às atividades cotidianas como andar, sentar, levantar, subir e descer escadas e garantir a independência no dia do paciente.

Realizada pela primeira vez em 1960, é uma das cirurgias mais bem-sucedidas da medicina. A Artroplastia de Quadril ou Prótese de Quadril é um procedimento seguro e efetivo para aliviar as dores, melhorar os movimentos e ajudar a desfrutar das atividades normais do dia a dia.

O procedimento é considerado uma operação de grande porte e deve ser realizada por uma equipe especializada.

O quadril é substituído por outro, artificial, cujo grande objetivo é aliviar a dor e melhorar a sua qualidade de vida. Trata-se de uma cirurgia segura e confiável. Porém, para obter o sucesso, três fatores são essenciais:
• Técnica operatória mais adequada
• Prótese correta para cada paciente
• Atenção aos cuidados pós-cirúrgicos

PERGUNTAS FREQUENTES

Estas informações jamais substituirão a consulta ou a conversa com seu médico, mas são úteis para esclarecer as principais dúvidas. Na Voglia Ortopedia temos uma equipe preparada e motivada para cuidar e apoiar você em suas decisões.

O QUE É QUADRIL?
O quadril é uma articulação formada pelos ossos da coxa (fêmur) e bacia (acetábulo), que se encaixam de maneira perfeita. Ele faz a conexão dos ossos da perna com o tronco e apresenta grande mobilidade. Esta importante articulação pode apresentar algumas doenças como fratura, artrose (desgaste), necrose, tumor e infecção, com interferência em atividade simples como sentar ou calçar uma meia. Muitas destas doenças podem ser resolvidas por meio de uma cirurgia de substituição ou plastia da articulação. Este procedimento é conhecido como prótese de quadril ou artroplastia de quadril.
O QUE É A PRÓTESE DE QUADRIL?
A colocação de uma prótese de quadril consiste na substituição da articulação doente por uma artificial. Seus componentes podem ser constituídos por peças de metal, polietileno (plástico de alta resistência) ou cerâmica. Seu encaixe é feito na tentativa de imitar o mais próximo possível uma articulação normal. A fixação dos componentes da prótese no osso é realizada com ou sem cimento ósseo, dependendo da técnica escolhida para cada caso.
Os componente da prótese são: uma cúpula que encaixa na bacia (acetábulo), uma haste que se encaixa no canal do osso da coxa (fêmur) e uma peça redonda que faz a conexão destes dois componentes.
QUAL É A DURABILIDADE DE UMA PRÓTESE?
A durabilidade de uma prótese varia de acordo com as características pessoais e os cuidados do paciente após a cirurgia. Quanto mais jovem o paciente, maior chance de desgaste precoce por sobrecarregar mais o quadril. Em 10 anos, aproximadamente 98% dos pacientes ainda continuam com a mesma prótese.
A CIRURGIA DE QUADRIL APRESENTA RISCOS?
Por ser uma cirurgia de grande complexidade, a prótese apresenta alguns riscos. Para tanto, a avaliação pré-operatória, técnica cirúrgica, anestésica e acompanhamento têm por fim reduzir estes riscos. Algumas complicações que podem ocorrer:

• Anemia: Pode ocorrer perda sanguínea no ato cirúrgico e, em casos especiais, a necessidade de transfusão de sangue.
• Infecção ou rejeição: O risco de uma infecção varia entre 1% e 2%. Caso ela aconteça, é passível de tratamento com medicamentos, drenagem ou até mesmo troca de prótese.
• Trombose: Coágulos sanguíneos podem formar-se nas veias da perna e causar trombose, que é prevenida com o uso de medicações, meias e exercícios logo após a cirurgia.
• Luxação: Deslocamento ou desencaixe da prótese. Este risco é de mais ou menos 2% e para evitá-la, siga as orientações quanto aos limites de movimento e força.
• Diferença de comprimento entre as pernas: É perceptível, nos primeiros dias, uma diferença no comprimento entre as duas pernas, que pode se modificar com o passar do tempo decorrente das adaptações posturais e da própria prótese. No entanto, quando há grandes deformidades, essa diferença pode ser permanente.
• Paralisia do nervo da perna: Pode ocorrer em casos de dificuldade técnica e principalmente durante a troca de prótese.
• Complicações clínicas: Infarto, derrame cerebral, tromboembolismo pulmonar, reação à anestesia, entre outros.

Tenha sempre uma equipe treinada e capacitada para verificar eventuais sinais de risco para cada uma destas complicações. Mantenha informados sobre eventualidades ou dúvidas no período pós-operatório. Assim, estes riscos poderão ser minimizados e o resultado, alcançador com maior segurança.
QUE CUIDADOS SÃO NECESSÁRIOS COM A PRÓTESE?
A pessoa que se submete a esta cirurgia nunca pode se esquecer que sua prótese poderá sair do lugar com a movimentação brusca ou errada. Por isso, o quadril deve ser mantido em posição correta, principalmente nos primeiros dias após a cirurgia.

As recomendações mais relevantes são:
• Não dobre o quadril mais de 90 graus.
• Não rode a perna ou o pé para dentro.
• Não cruze as pernas, mesmo que deitado.

Como não se pode dobrar a perna mais que 90 graus, fica proibido sentar-se em lugar baixo, que é todo aquele abaixo da altura do seu joelho. Sofás moles, cadeiras de área externa baixa ou cama baixa ficam proibidos.

O vaso sanitário também é baixo para a maioria das pessoas, tornando o sentar e levantar difícil e perigoso. É obrigatório o uso de elevadores de vaso sanitário ou da cadeira higiênica. A adaptação de barras de apoio poderá ser útil.
É PRECISO USAR ANDADOR APÓS A CIRURGIA?
Logo após o procedimento é indicado o uso de andador. O tempo de uso varia de acordo com a gravidade de cada caso e com a força muscular de cada paciente. O período médio é de aproximadamente um mês, ou até que se tenha confiança para não cair.
A maneira mais fácil de utilizar o andador é: posicione o andador para frente, dê o passo com a perna operada e então dê o passo com a perna não-operada até ela permanecer na mesma altura da perna operada. Então, repetir o mesmo gesto. Andador para frente, perna operada e perna não operada.

A perna operada vai a frente, pois assim você consegue protegê-la melhor.
QUAIS SINAIS MERECEM AVALIAÇÃO MÉDICA IMEDIATA APÓS A CIRURGIA?
Dor súbita no quadril, grande inchaço nas pernas, surgimento de secreções na ferida cirúrgica, febre, dor no peito ou dificuldade para respirar.

FALE COM A VOGLIA

Estamos à disposição para mais esclarecimentos sobres os procedimentos realizados na clínica. Envie sua mensagem que em breve retornaremos.

ENTRE EM CONTATO